quinta-feira, 2 de março de 2017

Sobre Se Sentir Um Trouxa

Tristeza aliada à ciúmes já foram motivos que me deixaram bastante estressados nesse atual relacionamento. Cada um que sente intensamente uma relação passa por isso.
Às vezes, por mais que você queira evitar certos "pensamentos difusos", eles teimam em se fazer presentes e terminam por desgastar um dia, uma semana, um momento que era pra ser de alegria.
Mas, e quando o sentimento em questão não vem de ciúme ou tristeza?
E quando ele começa com decepção e depois se torna raiva?
Sinceramente falando, já me culpei bastante por inúmeros desentendimentos recentes e tento melhorar a cada derrapada que dou por saber que elas foram "fabricadas", por assim dizer. Entretanto, mais recentemente, várias coisas passaram de um estágio de insegurança e tristeza para pura decepção e, posteriormente, raiva.
Havia muito tempo que eu não sentia algo tão negativo vindo de uma pessoa que eu considerava tão cheia de motivos para se elogiar. Penso que, quando se entra em um namoro, vez por outra o casal brinca e planeja algum futuro promissor juntos.
Esse semana, porém, alguns fatos me chatearam bastante e me fizeram até a questionar sobre o porquê de uma pessoa estar ao meu lado e só conseguir falar do futuro em primeira pessoa.
Ou quando você está desabafando e essa pessoa mal olha em seus olhos para te levar à sério?
Ou quando você manda algo da internet ou uma música, todo empolgado, e a pessoa nem sequer se dá ao trabalho de olhar/ouvir?
Ou quando você está todo empolgado em vê-la e, de repente, percebe que ela não está tão empolgada assim.
Sei que não sou a melhor pessoa do mundo, tampouco o melhor namorado - acho até que piorei bastante de 2015 pra cá -, mas, francamente, pergunto-me como será que uma pessoa está sentindo numa vida "à dois" assim.

- Não, rapaz, mas ela tem as preocupações dela, o curso, essas coisas...
Não, rapaz, mas você já terminou com ela uma vez. É normal que ela se porte mais fria em relação a outra vez...
- Não, rapaz, isso tudo é coisa da sua cabeça, daí fica perdendo tempo encucando com isso.

OK, amigos... Mas, eu pergunto: E se fosse o contrário?

Honestamente, não tenho medo de uma possível rejeição por parte de ninguém. Já passei por isso, sei o quanto dói, mas também sei q passa e que a gente termina até evoluindo. O que mais me incomoda, na verdade, é a dúvida.
É possível dizer q isso é amor? Ou seria só conveniência?
Hoje, conversando com uma amiga minha  de mais de 10 anos, peguei-me intrigado pela seguinte afirmação dela "Júlio, e se não for o tempo dela para pensar em uma relação duradoura? Ela é bem mais jovem que você e talvez não queira pensar em um futuro à dois, estando apenas confusa por estar numa relação, novamente".

Se pelo menos ela me desse um posicionamento, talvez eu soubesse se teria que pegar meu barco pra o outro lado ou não.
No mais, depois de tantas perguntas sobre se sou eu quem estou agindo na pressão, agora me sinto um verdadeiro trouxa por parecer que somente eu preocupo com a relação e somente eu gosto de priorizar uma maior proximidade nossa em relação a outras coisas.

Carinho, companheirismo, respeito, empatia, amor...
É isso que uma relação normal não-perfeita teria.

É isso que temos agora?

0 opiniões:

Postar um comentário

 
Free Blogger Templates