domingo, 18 de setembro de 2011

Instintiva Afeição ou Versos D'um Mero Caso À Parte


Estranhou-me aquele teu olhar sobre mim.
Estranhou-me, também, o meu.

Confundiu-me, por sabermos o que sabíamos antes;
Pelo toque que tínhamos;
Risada que dávamos;
Pelos diálogos do mundo alheio.

E tuas maçãs do rosto teimando em brilhar;
Avermelhar-se um tanto mais no encontro com a luz,
Ou d'um suave e tímido carinho meu.

Surpreeende-me a vida,
Com suas pessoas e suas ações.

Eu, que de tudo sabia,
Achava sobre tudo,
Falava de tudo.

Rendi meus olhos,
Antes atentos, ou cegos demais,
Entreguei-os aos segundos
E algumas interrogações de momento.

Casos e acasos d'uma amizade sem colores,
Instintiva afeição aumentada,
Pintada em tons indefinidos.

E as conversas,
E os abraços,
E os risos;

Ainda somente conversas,
Abraços,
Risos.

A estranheza, a confusão;
Mero descostume.

E a vida como antes:
Serena e cínica como sempre.
Segue.

Conversas,
Abraços,
Risos,
E umas poucas dúvidas,

Vêm, assim,
Com a amizade de tempos atrás.
Sem colores, rodeios ou medos.

Surpreeende-me a vida,
Com suas pessoas e suas ações.

E surpreendo-me, também, comigo.

0 opiniões:

Postar um comentário

 
Free Blogger Templates