quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Artística


Desenho, de novo, aquele coração,
Já antes apagado pela chuva e pelo vento
De ilusórios amores antigos.

Risco o chão com os mesmos dedos,
Os mesmos que, a pouco, apontaram-te;
Que ergueram teus olhos perante mim.

Em minha mente,
Traços de teu sorriso e tua doçura,
Nas paredes de minh'alma,
Guardados como clássicos.

Amor, talvez,
Em tela à óleo renascentista,
Ou pichado nas ruas da cidade.

E nossas cores a se misturar,
Nossas artes, vidas, risos,
Tom sobre tom.

Amor, talvez,
Misterioso como Gioconda;
Louco como Dali.

E desenho de novo, aquele beijo,
Escrevo-te, agora, como autora.

E os despretenciosos rabiscos de outrora,
Amanhã, quem sabe, obra-prima.




0 opiniões:

Postar um comentário

 
Free Blogger Templates