quarta-feira, 20 de abril de 2011

Incolor Calmaria


Tarde cinza;
Dia cinza.
E borboletas ainda em cena.

A vida segue assim, sem graça ou cor.

Felicidade desbotada, aquela de antes,
Confundida com tristeza.
Análogo estado;
Deprimente, até.

A graça se foi e ainda se vai,
Como cores daquela velha aquarela.

Um sorriso, pintado à óleo:
Desfigurado,
Gravado num quadro de recordações esquecidas,
Prisão dos bons momentos.

E a perspectiva que inexiste.

A vida, assim, sem cor,
Trajetória não-linear de fatos.

Vidas em preto-e-branco,
O passado aqui, sempre presente,
Desenha-se em traços firmes.

No horizonte,
Borboletas em cores nunca vistas
Em suave vôo.

Tarde cinza;
Dia chato.

Incolor calmaria.

0 opiniões:

Postar um comentário

 
Free Blogger Templates