terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Doado


Deram-lhe a vida, somente.
Aquela que não quisera até então.

D'um cumprimento,
D'uma praia,
Um caso do acaso.

Deram-lhe a vida, apenas
E um amor para chamar de seu.

Entrou,
Angustiante e impreciso como de costume,
E levando consigo uma beleza e cinismo indescritível.

Tórrido começo, aquele,
Bem mais que mera paixão.
Fulminante, aos seus olhares esperançosos;
Efêmero, infelizmente.

Tristeza não fosse o sentimento mais correto,
Decepção, talvez
Ou saudade.

Um caso do acaso,
Povoado por atos insensatos.

Deram-lhe o amor, até,
A felicidade, nem tanto
Paciência, vez por outra.

E, ainda sim, ele mantinha os pés no chão,
Mas sabia quando e como voar.
Elevar a confiança;
Ou virar as costas.

Deram-lhe o amor,
Ainda verde,
Mas, independente da forma, amor.

Restou-o a espera.

0 opiniões:

Postar um comentário

 
Free Blogger Templates