sexta-feira, 2 de abril de 2010

Temerosa Existência


Vozes ao fundo,
Assustam-me.

Acho-me imerso no nd.
Por isso o medo,
Por isso essas mãos desesperadas sobre a kbça.

Medo d estar soh
(Ou da loucura).

A arte bizarra daquela prisão sem muros.

Pega a garrafa,
Dou um gole a mais,
Fujo do mundo dos homens.

Gira minha mente.
Encontro meus sonhos
(E pesadelos).

Vozes ao fundo
Assutando-me.

Encosto-me na velha arvoré.
Fecho os olhos e durmo.

Esqueço a vida.

(Enquanto uma ave negra pouso em meu ombro).

0 opiniões:

Postar um comentário

 
Free Blogger Templates